Polícia Civil vasculha Câmara e casas de vereadores em Santa Luzia - Ao Vivo Rondônia

Polícia Civil vasculha Câmara e casas de vereadores em Santa Luzia

05/02/2015

Corporação cumpriu, nesta manhã de quinta-feira (5), mandados de busca e apreensão; pelo menos dez políticos foram alvos de investigações sobre fraudes em licitações

Polícia Civil vasculha Câmara e casas de vereadores em Santa Luzia

A Polícia Civil de Minas Gerais cumpre, na manhã desta quinta-feira (5), mandados de busca e apreensão, em Santa Luzia, na região Metropolitana de Belo Horizonte, que visam subsidiar a investigação sobre fraude em licitação pública envolvendo pelos menos dez vereadores do município, do total de 17.

De acordo com o delegado Ramon Sandoli, do Departamento de Investigação de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri), o crime está sendo investigado há cerca de oito meses após denúncias. As licitações para contratação de empresa para realizar a coleta de lixo no município que estariam sendo fraudadas.

Até o momento, de acordo com uma testemunha, a vereadora Dirce Rodrigues (PSB), que é pastora, e um outro parlamentar que faria parte de uma associação de bairro foram buscados em casa e levados pela polícia até a Câmara Municipal, onde são feitas buscas por documentos que comprovem as irregularidades.

Na casa de Dirce, a polícia apreendeu uma cartucheira calibre 28, sem registro, e prendeu o filho dela, de 25 anos por porte ilegal de arma de fogo. A vereadora foi detida em flagrante por conta de um gato de energia, de acordo com Sandoli.

À imprensa, a vereadora negou os delitos. Ela afirma estar sendo vítima de armação política, porque é bem-sucedida e não precisa roubar. 

Por volta de 17h, a vereadora pagou fiança estipulada pelo delegado Sandoli e foi liberada. O valor pago não foi informado pela Polícia Civil.   

Assista aos vídeos, nos quais a vereadora nega as acusações contra ela:

 

A população, que acompanha o trabalho da polícia, gritou em coro "pastor, político e ladrão é o que mais está tendo", mostrando que não acreditam na inocência da vereadora.  Entre os alvos vasculhados pelos policiais estão residências dos envolvidos e a própria sede do Poder Legislativo local.

A operação é coordenada pelo Departamento de Investigação de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri) e conta com 91 policiais, entre eles, integrantes do Grupo de Pronta-Resposta Qualificada (GPRQ) da Polícia Civil. 

Documentos e computadores dos parlamentares foram apreendidos. 

 

Autor: DENISE MOTTA

Fonte: otempo.com.br