O QUE ESPERA RONDÔNIA EM 2018 - Ao Vivo Rondônia

O QUE ESPERA RONDÔNIA EM 2018

03/01/2018

Rondônia, espera com ansiedade às eleições desse ano, quem virá a ser o governador do Estado e, os Senadores eleitos:

O QUE ESPERA RONDÔNIA EM 2018

Rondônia - 03/01/2018

 

Não estamos mais aguentando tantas especulações à respeito dos futuros concorrentes ao Palácio Rio Madeira e, quais senadores irão disputar as duas cadeiras no Senado Federal. A situação está cada vez mais complicada para qum pretende concorrer a um destes cargos, nomes não faltam aos eleitores, cada um tem sua preferência e escolhe, ao final,  escolhem o que menos presta, isso ocorre desde os primórdios.

Na atualidade, os nomes burbulhm aos montes, na hora do "pega prá capar", as coligações dos mais fortes engolem osmais  fracos pretendentes, que somente se lançaram candidatos para "cacifarem" os seus nomes e, assim, ganharem alguma expressão na sombra do mais "forte". Dentre os pretendentes, temos nomes que já estão no mandato eletivo, uns "encalacrados" até os "gorgumilhos" com a Justiça, tipo Valdir Raupp e Ivo Cassol, outros, estão em franco desenvolvimento de suas campanhas, uns ao senado, outros ao governo e mais alguns, ao governo e ao senado simultaneamente, tipo Expedito Júnior e Confúcio Moura. O primeiro (Expedito), aguarda o desfecho do desenrolar dos processos de Ivo Cassol, por outro lado, o atual governador, Confúcio Moura, da mesma forma, aguarda o desfecho da Operação Lava Jato, em torno do nome de Valdir Raupp, que até o momento, em razão do "famigerado" Foro Privilegiado, continua "empurrando" com a barriga seus processos (que não são poucos), para tentar concorrer à sua reeleição e, assim, protelar cada vez mais seus julgamentos, aguardando a extinção dos mesmos.

Expedito Júnior, por sua vez, o mais "cacifado" até o momento para ocupar a cadeira maior do Estado de Rondônia, está mais confortável nessa peleja, havendo ainda alguns "óbices" a serem resolvidos, mas tudo indica, que o mesmo virá mesmo para o governo do Estado, ainda vai depender das decisões judiciais dos supremos, em Brasília. Por ora então, só resta aos eleitores aguardarem o desfecho das eleições do dia sete (07) de Outubro, que já não está tão longe o quanto parecia.

Pedro Francisco

Jornalista 1.297-RO/BR